“Tributo a Stan Getz” - Hybrid Jazz Machine
 
Músicos:
Direcção, Arranjos e Saxofone Tenor - Mário Marques
Saxofones Soprano e Alto - José Lopes
Saxofone Barítono - Rui Morais
Trompete - To-Zé Morais
Trompete - Jorge Almeida
Trombone - Ruben Santos
Banjo, Bandolim e Guitarra Acústica - Netinho
Guitarra Eléctrica - Alberto Valongo
Piano - Daniel Bernardes
Baixo Eléctrico - Eddy Cabral
 
Preço:
Concerto já realizado
 
Sobre este projeto:
Stan Getz é o saxofonista de raça branca mais importante do jazz moderno desde os anos 40 até meados dos anos 80, quer pela sua vasta discografia, quer pelo seu legado deixado em concertos,muitos dos quais também registados em disco.

A sua sonoridade imediatamente identificável, a sua pureza estilística, a sua execução leve e elegante, a sua criatividade improvisadora, fértil em perfis melódicos, identificam a música de Getz o qual era apelidado apenas por "The Sound".

Nos anos 60 descobre a bossa-nova, através da qual conhece João Gilberto e Tom Jobim, com os quais gravou grandes sucessos comerciais como "Desafinado" e "Garota de Ipanema".

" Não descubro músicos novos, são eles que vêm ter comigo" S. Getz. Aproveitámos esse espírito e fomos ter com a música de Getz. O projecto "Tributo a Stan Getz" pela HIBRID JAZZ MACHINE não pretende imitá-lo pois essa tratava-se de uma tarefa impossível, mas sim copiar a sua forma de estar na música, ou seja " com ternura e espírito aberto" e aproveitar a execução para viver momentos exclusivos da Música e do Homem como espécie.

O aproveitamento estético de vários quadrantes musicais faz com que este projecto tenha a responsabilidade de seduzir o público que ainda não tem por hábito frequentar festivais de Jazz.