Procurar: na secção:

TGB

Participação no JazzValado em 13 de Fevereiro de 2003 - 6º Festival

 
 
Tuba - Sérgio Carolino
Guitarra Sintetizada - Mário Delgado
Bateria e Percussão - Alexandre Frazão
 
TGB é o nome de um trio de “alta velocidade” que surgiu por indução de Sérgio Carolino, como aposta numa formação unusual em termos instrumentais, quer pelo tipo da combinação dos mesmos quer pelo lugar móvel que estes ocupam na pirâmide tímbrica.

O som TGB move-se num terreno próximo de formações clássicas inusitadas como: Jimmy Giuffre Trio (clarinete, guitarra, trombone), Paul Motian Trio (saxofone, guitarra, bateria), John Zorn “News from Lulu” (saxofone, guitarra, trombone) Tiny Bell Trio (trompete, guitarra, bateria).

O reportório viaja pelo próprio “sketch book” dos três músicos, bem como por compositores pragmáticos ou Picassianos (Monk, Dolphy, Powell) cujo relevo melódico rítmico é tão abrangente, que permite as mais audaciosas inversões instrumentais.
Assim este triângulo variável explode nos ritmos de Alexandre Frazão sopra na Tuba irrequieta de Sérgio Carolino e rebate nos acordes de Mário Delgado.

Alexandre Frazão
Natural do Rio de Janeiro, vive em Portugal desde 1987.
Estudou com Alan Dawson, Kenny Washington e Max Roach, com quem participou num Workshop-concerto (Jazz em Agosto 95) na Fundação Calouste Gulbenkian.

A sua actividade musical tem como característica a multiplicidade de estilos, mas tendo como principais referências o jazz e a música improvisada.

Entre as suas referenciais gravações estão o disco Tempo de Pedro Abrunhosa, Hoje de Mário Laginha e Navegantes de Rão Kyao, representando assim, a sua versatilidade em vários estilos.
É co-fundador do grupo Ficções (CD`s Aqua e Zambra) e Tim Tim por Tim Tum (CD Diálogos de Bateria).

É membro da Orquestra Sons da Lusofonia (CD Caminho Longe).
É endorser dos pratos e baquetas Zildjian e baterias Yamaha.

Mário Delgado
Mário Delgado começou os seus estudos na Escola de Jazz do Hot Clube, ainda quando José Eduardo e David Gausden leccionavam na cave da Práça da Alegria. Prosseguiu os seus estudos na Academia dos Amadores de Música e prolongou a sua formação envolvendo-se em "ateliers" com alguns dos mais importantes guitarristas de Jazz contemporâneos como John Abercrombie, Bill Frisell e Atilla Zoller, ou com mestres como Jimmy Giuffre, David Liebman, Steve Lacy, Han Bennink, Paul Motian e Joe Lovano, entre outros.

Em 1992, Delgado junta-se ao guitarrista José Peixoto e ao percussionista José Salgueiro para desenvolver um projecto que culminará na gravação do álbum Taifas, cruzando um espaço musical que se abria ao universo das sonoridades árabes e mediterrânicas também presente na música do cantor Janita Salomé, com o qual Delgado gravou.

É ainda sob o signo do cruzamento de linguagens, mas desta vez numa aproximação heterodoxa às raízes portuguesas, que Mário Delgado e José Salgueiro se juntaram ao contrabaixista Carlos Barretto - para gravar Suite da Terra.

O guitarrista divide-se actualmente entre vários projectos, nomeadamente o seu próprio grupo “Filactera” (que é uma aventura pela Banda Desenhada) e o Trio de Carlos Barretto.
Quase todos estes projectos têm já discos editados, como é o caso de Filactera (Mário Delgado), Suite da Terra, Silêncios e Radio Song (Trio de Carlos Barretto) .

Participou ainda na digressão europeia do quarteto "Danças", de Maria João e Mário Laginha e na gravação do novo disco "Undercovers".
No campo da música popular portuguesa, Mário Delgado já trabalhou com todos os nomes mais consagrados.
É endorser das guitarras Yamaha.
 
 
 
© Copyright 2003 - 2017 jazzvalado.net  ||  Developed by http://www.factorq.co.uk